Unidade II - Educação infantil

Rua Jureia, 575 - Vila Mariana, São Paulo - SP
[55] 11 5572-1274

  • Grey Facebook Icon
  • medium-m-color-688_edited
  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon

Unidade I - Berçário

Rua São Samuel, 165 - Vila Mariana, São Paulo - SP
[55] 11 5084-0111

Era um pano rosa

26/05/2017

 

 

 

Naquele dia os panos estavam pendurados.

 

Juntos eles formavam, segundo Elisa:

 

“A barriga do gigante.”

 

Ou ainda, pelo olhar de Antonio:

 

“A barriga do crocodilo.”

 

E era lá dentro daquele bicho que as crianças iriam ouvir uma história.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Enquanto todos ajeitavam os panos e se colocavam dentro daquela barriga tão grande, Antonio também parecia se preparar para o momento.

 

Pegou um pano rosa e se vestiu. 

 

Todos prontos!

 

 

 

 

 

 

A história começara.  

 

De repente, Antonio sai da barriga.

 

Parece arrumar seu pano rosa e volta com tranquilidade para a história.

 

 

Por uma segunda vez, vejo Antonio saindo do crocodilo de forma inquieta.

 

Para por um segundo, e parece ouvir de fora a história ecoando.  

 

Voltando o olhar para o seu corpo, talvez percebe que precisa achar um jeito ainda melhor de estar com aquele pano.


Começa então a sua busca...

 

Estica o pano rosa.

 

Parece ver seus buracos e medir cada um deles. Ao mesmo tempo, imagina se conseguiria prender o pano em sua cabeça.

 

Talvez uma outra parte pudesse ficar presa em seus braços.

 

A história ecoa novamente da barriga do crocodilo. E como quem para e descansa, ouve. 

 

 

 

Volta o olhar mais uma vez para o pano rosa e seu corpo.

Me pede para fazer um nó em um lugar bem específico e com as pontas já separadas.

 

O nó parece frouxo. E antes mesmo que o nó se desfaça, Antonio parece dançar com o pano em um jogo lento de equilíbrio e paciência.

 

Talvez agora esteja de um jeito bom: o pano rosa preso em Antonio. Antonio preso no pano rosa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Antonio olha para o próprio corpo.

 

Olha para mim e sorri. Um sorriso de satisfação, de encontro.

 

 

 

 

 

 

 

Não consigo entender se sorri pelo pano amarrado em seu corpo ou pelo jogo que travavam juntos.

 

 

 

Então Antonio vai ao chão.

 

Levanta o pano e parece virar um bicho. Caminha suavemente como algum ser suntuoso, talvez com uma cauda longa e formosa.

 

Levanta e olha o próprio corpo com aquele pano rosa.

 

Tira uma parte de lado, veste novamente o braço, troca o nó de lugar e torce outra parte.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E como se estivesse cansado daquele jogo, senta na mesa e ouve, vindo da barriga do crocodilo, o final da história.

 

 

 

 

 

 

Please reload