Unidade II - Educação infantil

Rua Jureia, 575 - Vila Mariana, São Paulo - SP
[55] 11 5572-1274

  • Grey Facebook Icon
  • medium-m-color-688_edited
  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon

Unidade I - Berçário

Rua São Samuel, 165 - Vila Mariana, São Paulo - SP
[55] 11 5084-0111

Berçário

A escola como um grande ateliê

Organizamos nossa proposta pedagógica por meio de um currículo que entrelaça a vida cotidiana, o brincar e a forma como as crianças descobrem e interpretam o mundo. Os projetos podem nascer do desejo institucional, da professora ou das crianças. A partir da escuta atenta dos educadores para como as crianças aprendem e apreendem os conceitos. Compreendemos os conteúdos da infância como inaugurais e levamos em conta de forma estrutural o desenvolvimento infantil. Para cada projeto, há intencionalidade e mediação do educador e a escuta atenta que fornece elementos para a continuidade do mesmo. Esta forma mais orgânica e sistêmica de conceber os conteúdos possibilita a construção de uma documentação pedagógica que estabelece um diálogo entre a criança, o educador, a família e a comunidade, evidenciando aprendizagens de forma ética e estética. Revelar o processo de como as crianças aprendem é a estratégia mais potente de reconhecer e valorizar a cultura das crianças em suas infâncias. Conheça abaixo os princípios norteadores da abordagem da escola.

Inspirações

Anna Tardos

Psicóloga húngara

Emmi Pikler

Pediatra húngara

Paulo Freire

Educador brasileiro

Loris Malaguzzi

Educador italiano

Manoel de Barros

Poeta modernista brasileiro

Ah, ah, ah, ai, ai, ai, brrrr, brrrrr, brrrrrrrrr, buia, boia, aieia, ai, aibu, tirabu, airoeira mantegueia, papai, oin, lado, a boia, a bola, pixxxx, pishhh, metodioi, ah lá, papai falou que ele é uma de cada, e, e, e, e e a chupeta do peixe tava na minha boca, vou dormir e acordá, boa nooooite, boa noooite, Gael, acorda, pulguinhaaaa, tá bom, piu piu piu, que danada me mordeu, tava dumindo, folguete e-pa-ci-allll, hi hi hi, ah, ah, vamo derrubá, tcha tchã, o lobo tá vindoooo, o looobo, tchau, tchaaau, tchau.

As falas transportadas para essa transcrição poderão ser ouvidas de forma muito mais plena, já que o som carrega as emoções, os sentimentos, os contextos e estímulos de cada voz. Assim, pedimos novamente: permita-se escutar e imaginar a partir desses fragmentos.

Coloque-se nesse estado de compreensão, de escuta e presença. Perceba os ruídos, esses que surgem de forma espontânea, e também os sons, que diferente dos ruídos trazem uma intenção.

Jean Jacques Rousseau dizia que a linguagem humana evolui gradualmente a partir da necessidade de exprimir os sentimentos. Não temos qualquer dúvida sobre isso. Basta escutar o bebê ou a criança para ver como, desde antes do balbucio, tudo é comunicação.

Na paisagem sonora da Carambola, temos uma composição de sons que ambientam um lugar da infância. Um lugar onde se escuta o adulto, mas são as crianças cujas vozes entoam por todos os ambientes, mescladas aos sons naturais dos pássaros, da rua, do pandeiro, das rodas e das canções.

Nesta sala, uma linha do tempo reconhece esse ambiente a partir do que nos contam os bebês e as crianças em suas ações, reações, balbucios, imitações, interpretações, conversações e silêncios.

Por volta das 16 semanas de gestação, o bebê costuma responder aos estímulos sonoros que vêm do corpo materno e também do ambiente. O útero, portanto, é uma caixa amplificadora das ondas sonoras, que vibram em diferentes sons, de acordo com as intenções. Quando nasce, apesar de muito se falar sobre a coordenação óculo-manual, o bebê é extremamente sonoro.

O balbucio, logo, é um marco importante, pois representa o início desse processo. É quando o bebê começa a experimentar os sons no encontro de respostas que recebe a partir das relações sociais que vem construindo.

Quando começam a juntar os sons de vogais com algumas consoantes, as crianças vão dominando cada vez mais essa forma de expressão, essa linguagem. Assim, é fundamental que o adulto narre para elas suas ações de cuidado e afeto, já que desde muito pequenas elas leem nossa expressão e nosso corpo todo. Através do nosso movimento corporal, elas associam palavras e começam a se entender, também, como um sujeito dentro de uma cultura a qual querem fazer parte.

Entre e escute. Feche os olhos, em alguns momentos. O que pedimos, dentro dessa paisagem sonora, é que os sons da infância também vibrem dentro de você.

Nossas unidades